MISSÃO CUMPRIDA: O BATALHÃO 501ST ENTRA EM AÇÃO

O segundo capítulo da série Missão Cumprida se passa no gélido planeta Mygeeto, onde nem mesmo as mais fortes tempestades de neve impediram o confronto intergaláctico. Por se tratar da primeira fase da campanha no Star Wars Battlefront 2, não encontraremos nenhuma dificuldade real para alcançar os objetivos, dando espaço para novas táticas e experiências durante o jogo, que podem acabar te colocando em situações bem peculiares.

O mapa de Mygeeto é, sem sombra de dúvida, um dos meus favoritos, pelo simples fato de trazer uma nostalgia incomparável. Não é todo dia que se joga SWBFG2 pela primeira vez, não é? Além de que sua ambientação permite que qualquer um reconheça onde está e se veja fazendo parte da tão aclamada conclusão da saga Star Wars, o Episódio III: A Vingança dos Sith. 


Ao contrário do grande amigo Bonham Kriehger, que liderou o Grande Exército da República em Geonosis na estreia do Missão Cumprida, não levo o menor jeito pra Heavy Trooper, e prefiro mapas abertos (como vou usar uma sniper no Palácio do Jabba?), mas me parece que Mygeeto é muito bem balanceado e comporta qualquer classe. 

Pode-se muito bem usar o Clone Trooper, pois o mapa possui um bom espaço para uma "metralhadora" e movimentos rápidos. O Heavy Trooper também não fica atrás, suas minas e mísseis cabem bem em qualquer lugar no mapa, permitindo um bom controle na movimentação das tropas. Para quem gosta da boa e velha sniper, o cenário tem pontos de sobra para se ter uma boa visão do campo e alvos fáceis. E pra quem não fica sem a shotgun do Clone Engineer, como os colegas Rankatoko ou então o Nellynho, as curvas e caminhos alternativos presentes na fase são um prato cheio. 

São por esses motivos que eu afirmo: esse mapa é simplesmente perfeito, a não ser que você pretenda jogar com os rebeldes e dirigir os tanques, que não vou nem entrar no mérito, pois são uns carrinhos de bate-bate com lasers. E vou dar uma dica para quem quer usar a sniper. É uma boa ideia colocar o auto-turret ao seu lado, ele pode te defender e, principalmente, avisar quando inimigos estiverem nas suas costas, afinal, quem nunca foi pego pela retaguarda ao usar a sniper?

Mas no que se refere à missão, o jogador pode escolher qualquer classe e nenhuma prejudicará o andamento da fase, ainda mais pelo fato de um AT-RT estar estacionado logo à sua frente no começo da missão. O primeiro objetivo será capturar um posto de comando e a única possível dificuldade será o aparecimento de três Magna-Guards, mas não é nada que seu walker não possa dar conta. Em seguida, deverá destruir a artilharia da Confederação, para garantir o pouso do general Ki-Adi-Mundi, o que também não será difícil com as granadas do AT-RT. 


Após concluído o segundo objetivo, você terá a possibilidade de jogar com o mestre jedi, daí em diante, como diria uma antiga professora minha, será "melzinho na chupeta". A missão será destruir um pequeno gerador de escudo e coletar, mais adiante, um cristal de energia. Um ponto muito interessante sobre esse objeto, como dito na introdução da missão, é que Palpatine o quer para desenvolver a tecnologia necessária para a construção do laser da temida Estrela da Morte, como vemos ao fim do Episódio III. Após coletar o cristal, você deverá levá-lo de volta a uma nave da República, que estará onde a fase se inicia. No caminho, surgirão três Droidekas, querer enfrentá-los pode não ser uma ideia muito brilhante: eu preferi saltar por cima deles e sair correndo. Não, não sou covarde! Mas vamos combinar, o objetivo é dar o cristal ao chanceler, ou não?

E assim termina a primeira missão, mas sugiro que joguem ela uma novamente, com outra classe e, dessa vez, sem o mestre jedi. Será necessário assim o uso do Jet Trooper para pegar o cristal, e a missão se torna um pouco mais complicada. Os droids não vão deixar você escapar com o cristal assim tão fácil. 

Para piorar, uma vez que, com ele em mãos, o soldado não conseguirá voar devido ao peso do item. Também, por se tratar de uma missão curta, jogando-a mais vezes você pode tentar novas táticas e até mesmo se propor desafios, do tipo: não usar o AT-RT etc... Eu pessoalmente joguei a missão quatro vezes, e todas foram muito divertidas, lembrando sempre do efeito que ela nos dá, a nostalgia!



Assim chegamos ao fim do segundo capítulo da série Missão Cumprida, fiquem de olho no próximo, que será realizado pelo Bonham Kriehger na primeira missão espacial da campanha, a órbita de Coruscant, que, convenhamos, é simplesmente um dos maiores marcos do Episódio III, e o fim da incrível série animada da Guerra dos Clones. Vamos ver se ele terá a mesma sorte que teve em Geonosis, não percam!


Compartilhar no Google Plus

3 comentários:

  1. Parabéns pela missão, Arthur! Finalmente explosões e emoções no Missão Cumprida, já que em Geonosis eu não tinha muito o que fazer fora do roteiro. Essa proposta sua de completar a missão de maneiras diferentes é bem bacana!

    E realmente, Mygeeto é um mapa muito bem balanceado. Dá para eu me divertir usando o Heavy Trooper, ainda mais quando jogo para fora do cenário os amiguinhos com meus tiros HAHAHA

    A Laat no final me faz pensar: por que, assim como no primeiro SWBF, não rolou nave nos mapas terrestres? Seria muito top! Eu iria me divertir muito com meu Heavy Trooper, rs.

    Muito foda o texto, mandou super bem!

    ResponderExcluir
  2. Também gostei muito, soldado!
    E eu já tô jogando a campanha pra chegar nas minhas missões e dar tiros na cara de todo mundo.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.